Queloide: cicatriz que pode coçar ou ser dolorosa 1

Queloide: cicatriz que pode coçar ou ser dolorosa

Queloide é um crescimento anormal de tecido cicatricial que se forma no local de um traumatismo, corte ou cirurgia de pele.

É uma alteração benigna, ou seja, não oferece risco para a saúde. O queloide pode ocorrer em homens e mulheres, embora exista uma maior incidência no sexo feminino.

Pessoas negras e asiáticas são mais propensos a desenvolver queloides. A frequência em pessoas com pele mais pigmentada é 15 vezes maior.

Podem ocorrer em 5% a 15% das feridas cirúrgicas e apesar de benignos, tendem a recidivar mesmo depois de serem removidos por cirurgia.

Outra questão refere-se às pessoas que têm tendência a formar queloides. Qualquer lesão que resulte em cicatriz pode levar à sua formação. Um simples corte, cirurgia, queimadura ou até mesmo cicatrizes de acne severa podem desencadear o queloide.

Algumas pessoas podem desenvolver um queloide depois de furar a orelha para colocar brincos e piercings ou após se submeter à tatuagem.

Um queloide também pode se formar em feridas de catapora após a doença ter passado. Em casos muito raros, os queloides se formam em pessoas que não feriram a pele. São chamados de “queloides espontâneos”.

Os queloides crescem sem respeitar os limites da ferida original. Algumas pessoas com queloides relatam queixas de dor, coceira leve ou

Na grande maioria dos casos, os tratamentos são associados para evitar as recidivas. Infiltração de corticoide (ajuda a “abaixar”, “amolecer” e melhorar o aspecto do queloide, devido sua ação anti-inflamatória e antiproliferativa) e laser (reduz a altura e fazer com que a cor de um queloide desapareça) são opções disponíveis, mas somente o dermatologista poderá definir qual procedimento deverá ser realizado a fim de obter os melhores resultados.

Dependendo das dimensões e características da cicatriz pode ser realizada uma cirurgia para remover a lesão, aproximar as bordas e fazer uma nova cicatriz, mais fina.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *